Arquivo do mês: abril 2010

LOMO. Uma marca de armas russa?

A lomografia ainda é um mistério pra muita gente, sua origem então, nem se fale! Por isso, o LOMOLOKS preparou um resumo pra você que quer saber mais desse estilo que está marcando sua presença por aí…

Tudo começou na Rússia em 1982, quando Igor Petrowitsch Kornitzky (como se pronuncia isso?!), braço direito do ministro da Defesa da extinta URSS, analisou a câmera de Panfilowitsch Panfiloff (como se pronuncia isso ?!²), diretor da LOMO, até então uma fábrica de armas russas e produtos ópticos, e viu que, dentre outras características, a câmera era extremamente sensível à luz. Os dois pediram à  fábrica LOMO PLC em São Petesburgo, até então Leningrado, para que fizessem uma versão russa mais barata e melhorada da Cosina CX-1 (câmera japonesa) – e nascia assim primeira versão da LOMO LC-A!

Uma curiosidade sobre ela é que sua linha de montagem era constituída apenas de mulheres e a câmera fazia parte de um plano: todo cidadão soviético possuiria uma LC-A em casa e assim registraria cenas de seu cotidiano, ajudando a divulgar o estilo de vida soviético para o mundo, ou seja, a LC-A partiu de uma estratégia militar em plena Guerra Fria contra os EUA.

A câmera foi muito popular por um tempo, mas acabou sendo esquecida, restando apenas alguns exemplares em lojas de antiguidades.

Tá, mas você deve estar se perguntando: “E como essa câmera foi parar em diversos lugares do mundo?”. Isso aconteceu quando dois estudantes austríacos de férias em Praga, nos anos 90, se deram conta que precisavam de uma câmera fotográfica e ao avistaram exatamente numa dessas lojas de antiguidades uma câmera muito barata, a LC-A,  adquiriram-na.  Empolgados com a viagem, os estudantes dispararam cliques sem prestar muita atenção no enquadramento ou em outras questões. Eles teriam ficado fascinados ao revelarem as fotos e verem os efeitos saturados, por vezes desfocados e sempre, surpreendentes da câmera.

De volta a Viena, Mathias e Wolfgang, os estudantes descobridores da câmera esquecida, ainda seduzidos pelas imagens da LC-A, decidiram fundar a Lomographic Society International (LSI) e resolveram produzir na China suas próprias câmeras, igualmente compactas e baratas, mas agora inteiramente de plástico. São elas que os lomógrafos compram hoje a partir de 40 dólares (os felizes proprietários de uma Lomo original não se separam da relíquia por menos de 450 dólares).

Nascia assim a lomografia!

Gostou do resumo? Então deixe seu comentário. Ficamos felizes em ver sua participação!

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em lomonews

Lomografia no Iphone!

É, pois é. Apesar de Lomografia ser uma arte analógica, tem quem não resista uma boa tecnologia, mas também não quer abrir mão dos efeitos que uma lomo pode gerar. Se você se enquadra neste caso, ou tem curiosidade, conheça o aplicativo do Iphone, o QuadCamera 1.0 que faz fotos como as multilentes da lomo.

Com as opções de fotos 2×2 (como a action sampler), 4×1 (supersampler), 8×2 (oktomat) e ainda 8×1, dá pra escolher também a velocidade de disparo entre cada foto!

Veja o vídeo do aplicativo e depois dê a sua opinião!

Obs: se você acha que o que você sabe sobre Lomografia é muito pouco, clique aqui e entenda um pouco melhor!

6 Comentários

Arquivado em lomonews

Não Pense…

“Don’t Think Just Shoot” (Não Pense, Apenas Dispare), além de uma das regras da Lomografia, é o livro publicado pela Booth-Clibborn Editions, que reúne milhares de imagens analógicas de mais de 200 lomógrafos. Um prato cheio para quem quer descobrir um pouco mais do universo lomográfico, o livro no valor de R$$ 168,00 está disponível para a venda na Internet no site http://brazil.shop.lomography.com

Se você gosta ou está mesmo interessado no assunto, NÃO PENSE duas vezes antes de adquirir o seu exemplar né?!

Deixe um comentário

Arquivado em lomonews

Lomo da semana: Diana Mini

Tamanho não é documento, a Diana Mini faz serviço de gente grande! Fotografa em formato quadrado ou “Half-Frame”: duas fotos no mesmo quadro, tiradas em tempos distintos, o que aumenta o filme de 36 em até 72 poses!  Além disso,  o foco é regulável, assim como como o tempo de exposição.

Na minha opinião, a grande vantagem da Diana Mini sobre sua irmã mais velha, a Diana F+ é o filme 35mm, que ainda é relativamente fácil de comprar e revelar. Em contrapartida, o flash é o exclusivo Diana Flash Plug e geralmente vendido separadamente.

Pra ter uma idéia do “Mini”, aqui vão as dimensões da câmera: 70mm x 101mm x 60mm.

1 comentário

Arquivado em dicionário lomo

Verde, amarelo, vermelho, rosa…

Colorindo a terça-feira que ameaça chuva, fotos tiradas com a fofíssima Colorsplash diretamente do Lomography.

Para se inspirar com centenas de outras fotos, aqui!

Deixe um comentário

Arquivado em dicionário lomo, quem usa

Em algum lugar dos anos 80

Hoje vamos falar de Mark Sink, um cara que usou todo potencial da Diana pra fotografar a cena undergroud de NY nos anos 80. Mark ganhou sua primeira Diana dos pais na década de 60 mas não se interessou muito.  Vinte anos depois encontrou a câmera com filme dentro e ficou perplexo com o estilo das fotos. Declarou ser algo que nunca tinha visto antes e não parou mais de fotografar.

Sink então passou a fotografar com a Diana em uma época em que tudo estava indo para o lado oposto. Andy Wahrol e todos os frequentadores Factory (colegas de Mark)  cultuavam tecnologia e inovações. Ele conta que até chegou a dar uma Diana de presente para o artista na esperança de que ele fotografasse algo, mas a câmera nunca foi usada.

Quando perguntam o porque de Mark gostar tanto da câmera, ele é pontual: ” A Diana faz tudo que uma câmera normal não pode fazer”. Na opinião dele, o legal é que existe todo um romantismo por trás desse tipo de fotografia analógica, que permite que ele fotografe bem desde casamentos até longas viagens. “A Diana é leve e divertida. As pessoas sorriem quando você aponta a câmera na direção delas. É fácil de carregar para qualquer lugar e o som da bobina plástica é o melhor de todos”.

Aqui as fotos que Mark tirou de Basquiat e Wahrol

Mais na galeria do fotógrafo.

Deixe um comentário

Arquivado em dicionário lomo, quem usa

Lomo da semana: Fisheye No. 2

A Fisheye Branca No. 2 possui um ângulo de visão de 180 graus. Famosa por seu efeito lupa, ela dá uma dimensão esférica e vem com um visor (viewfinder) que traduz o ângulo da lente. Além de seu flash embutido, também tem o externo. O mais interesssante é que ela possibilita recursos de longa exposição e múltiplas exposições no mesmo quadro. Essa coisa linda utiliza filme 35mm tradicional.

Deixe um comentário

Arquivado em dicionário lomo